segunda-feira, agosto 19, 2019

Utópico'

É carregar adiante,
Em algum outro idioma significa outra coisa,
Mas a mesma dor em todas as línguas.
Mesmo que se compreenda,
Mesmo que se concorde...
Quem profere não sabe,
Ou quem sabe não é você.
É seguir em frente, 
Em algum outro coração significa outra coisa,
Mas a mesma queda em todas saídas.
Mesmo que se consiga,
Mesmo que atinja…
Quem alcança não sabe, 
Ou quem sabe não é você.
É superar, 
Em alguma outra mente significa outra coisa,
Mas a mesma mentira em todos os adornos. 
Mesmo que espere,
Mesmo que se esqueça…
Quem continua não sabe,
Ou quem sabe não é você.
É impossível,
Quando o que se tem de deixar não sai dos ombros,
Ou espera a cada esquina sem deixar atalho.
Mesmo que exista,
Mesmo que se encontre...
Quem se cura não sabe,
Ou quem sabe não é você.



[Suelen de Miranda]


*Definitivamente.
Enquanto estou por aqui, aos meus futuros encontros, peço perdão pelo que me tornei.
Eu estraguei de vez. Orçamento inconclusivo. 
https://www.youtube.com/watch?v=7G60GA6gC1U
Essa foi longa. Mas sem desculpas desta vez. É sempre a última de qualquer forma.

quinta-feira, agosto 15, 2019

Carga'




Tem vez que é o fim. 
Ela olhando aquele rio, ele indo rápido demais.
Todos nós morremos todos os dias e não é questão de tempo.
Há quem diga que é caminho e encruzilhada;
Eu não preciso saber o destino.
Tem vez que é o fim. 
Alguns destilando o próprio sangue, outros também. 
Todos nós nascemos todos os dias e não é questão de querer. 
Há quem diga que é momento e presente;
Eu nunca soube abrir sem rasgar.
Tem vez que é o fim. 
Tu voltando pra casa sem lembrar de mim, eu esperando sabendo que não.
Todos nós morrermos todos os dias e não é questão tentar. 
Há quem diga que tudo fica e também passa;
Eu nunca soube me decidir. 
Tem vez que é o fim.
Tem cansaço que não respira, 
E todos esquecem de perguntar;
Se é possível seguir, ou se é preciso parar.
Tem vez que é o fim e mesmo assim…
Há quem esquece de que parar, Nem sempre é descansar.


[Suelen de Miranda]

*Eu não sei se sobrevivo a este ano. 2016. Eu não sobrevivo a você outra vez.2019. Eu não sei.

Está um lixo. Perdoa.


domingo, julho 21, 2019

Memorial'

Não olho para trás.  Não mais.  Os dias são melhores em menos tempo, Pois quando se corre, não se alcança. Não é preciso pra poder saber,  Que tu me beija a nuca a cada fôlego. Não olho para trás. Nunca mais. As noites são piores sem tua lembrança, Pois quando se tenta, não se esquece. Não é preciso pra poder te ver, Enquanto me sorri por dentro das pálpebras. Não olho para trás. Não mais. Se ignora apenas o que se quer apagar,  E por mais que eu já tenha, nem tu pôde. Não olho para trás por saber; Não mais...Porque Não ter certeza da tua ausência; É o que me ajuda a ter certeza de você.


[Suelen de Miranda]

* Não foi o suficiente, mas se está em linhas deixa de estar nas veias.
Quem diz que o poço tem fundo, tem sorte da vida rasa que tem. 
Eu continuo com raiva, e tem vez que parece que ao invés de diminuir, ela inunda. Perdoa, coração.

https://www.youtube.com/watch?v=YaVE4WVlsDQ&feature=youtu.be

segunda-feira, julho 15, 2019

Estrume'




Quanto se pode aguentar?
Entre carne e osso há vários limites;
Entre passado e presente.
Dores acima, uma nebulosa de hematomas.
Quanto se pode aguentar?
Entre pele e sangue há várias linhas;
Entre presente e futuro.
Dores por dentro, uma sinfonia de arranhões.
Quanto se pode aguentar?
Fisicamente um ou dois golpes,
Mas a profundidade é regra da gravidade.
Quanto posso aguentar?
Falo de minha mente e alma sem saber explicar;
Talvez um dia eles entendam que a mente é parte do corpo,
E ela é a única que sabe matar.





[Suelen de Miranda]

* Não é de hoje. 
Eu só sei falar sobre ele, luto... luta. Então mais fácil escrever só de ler algo antigo, mas que faça sentido. Não era isso que eu queria dizer. Mas há tanto.
Não sobrou quase ninguém... E tentando ser lógica, mas provavelmente a culpa é só minha. A culpa sempre é minha.
Não tem porque alguém permanecer mesmo. Se eu pudesse eu também fingiria que eu não existo.


quinta-feira, maio 09, 2019

Aviso'

Não tem fim.
A cada dia que nasce, se dorme a mesma noite;
Nos mesmos olhos, na mesma memória.
De tudo que te espero, é que tu não saibas mais contar.
Já que foi em mim que sobrou nossa primeira data.
Não tem fim.
A cada noite que cai, se acorda o mesmo dia;
Nos mesmos ossos, no mesmo amor.
De tudo que te desejo, é que tu não saibas mais lembrar.
Já que foi em mim que sobrou nosso último solo.
Não tem fim.
A cada semana que inicia, se termina o mesmo mês;
No mesmo coração, na mesma dor.
De tudo que te preciso, é que tu não consigas ver.
Já que foi em ti que sobrou minha única chance.
Não tem fim…
Ainda é manhã de sábado depois de trezentos e trinta e quatro dias.
Ainda não voltei a respirar depois de quarenta e oito semanas.
Quem disse que passa, nunca passou por aqui;
Não teve de jogar terra sobre teu corpo.
Quem disse que melhora, nunca sentiu isso;
Não teve de te permitir apodrecer.
Acho que agora eu entendo,
Quando não se encontra um fim para o que se vive;
O fim estará em quem.


[Suelen de Miranda]



*Não funciona mais. Nada mais.
Onze meses. E eu nunca disse que amava. Mas adorar vale mais ainda, foi o que me disseram um dia. Saiba que tu foi. Tu pra sempre será.

https://www.youtube.com/watch?v=BdpoeUZvVtw
Eu não consigo voltar. E quem eu acho que me guia eu faço se perder. O certo é ir sozinha... seja pra outro lugar, seja pra te ver, seja pro fundo do rio. 
Eu não consigo mais escrever, vê?