quarta-feira, junho 06, 2018

Lei'




Ainda há espaço para ti.
Eu não sei quando foi assinado, 
Tu alguma vez viste o contrato?
Escrevi de todas as coisas, para todas as pessoas;
Espero ter escrito todas as cláusulas sobre mim.
Ainda há espaço para ti.
Talvez eu só precise preencher um pouco mais,
Aceitar que por onde eu abri tu sempre poderás entrar.
Escrevi de todas as pessoas, para todas as coisas;
Espero ter escrito o suficiente sobre mim.
Ainda há espaço para ti.
Não importa quantos adendos tu conquistes,
Quantas vias eu tenha de assinar...
Um dia as folhas acabam e conseguirei afirmar;
Teu lugar é teu para sempre, meu amor.
Está registrado em meu peito, mas agora sou eu quem vai habitar.



[Suelen de Miranda]

*https://www.youtube.com/watch?v=nH7bjV0Q_44
eventualmente tudo vai se acalmar, pois o certo já está. 
só me quero de volta. só isso. 

quinta-feira, maio 24, 2018

Acordo'





Eu te avisei.
Mais de uma vez,
Muito mais que vinte vezes.
Lembro todo o tempo pois um de nós precisa saber.
Eu te disse.
Apenas verdades,
Menti apenas quando deixei que tu acreditasses.
Profetizo todo o tempo pois um de nós precisa se preparar.
Eu te avisei.
Todas as vezes que te mandei seguir,
Tu deste meia volta a cada e mais uma.
Escrevo todo o tempo porque um de nós precisa entender;
Tu tens nada a ganhar,
Pois tenho mais nada a perder.



[Suelen de Miranda]



*https://www.youtube.com/watch?v=tgfjQIE9shk
eu continuo lá. não conheço o caminho de volta. 
i am loosing all over again.
i am loosing control. all. over. again.

segunda-feira, maio 14, 2018

Primeira pessoa'




Eu costumava ser tua.
Ninguém precisava saber,
E assim eu gritava ao mundo inteiro.
Tu pesavas em mim sem obedecer,
Não respirar era dádiva abaixo dos teus lábios.
Eu costumava te pertencer.
Me dei de presente,
E assim para ti nunca houve preço.
Tu censuravas meu riso sem saber,
Baixar o volume era dízimo dentro das tuas mãos.
Eu costumava ser tua.
Ninguém me viu pular,
E assim tu foste o abismo mais doce.
Eu costumava ser tua,
Talvez porque nunca me pertenci...
Estou indo para ser finalmente,
E pertencer à única pessoa que me tem.
...É sua vez: Acostuma.



[Suelen de Miranda]


*cansaço.



quarta-feira, maio 02, 2018

Antídoto'




Não importa como tu me olhas,
Sei exatamente o que parece.
Quando eu te peço para voltar ou te alivio o pensar,
Não importa...
Eu sou a queda e tu é vão em me salvar.
De nada importa como me vês,
Sei exatamente o que esconder.
Quando tu me gritas saudade ou me beija a superfície,
Não importa...
Eu sou teu medo e tu és minha única chance.
De nada importa o que tu me amanheças,
Eu serei o mesmo podre;
Te olharei por baixo e tu não saberás acordar.
Não importa,
Até por cada cigarro coberto na tua língua.
Não importa,
Lembra de si e do quanto eu perdi.
Se tu não me jogares pela janela, eu tropeço nas escadas.



[Suelen de Miranda]



*Ninguém merece isso. Ninguém. 

segunda-feira, abril 02, 2018

Orgânico'




Me ajuda.
Ele esqueceu onde meus lábios começam,
Não se pergunta se eu me importo.
Eu me importo.
Me ajuda.
Ele esqueceu que eu não gosto,
Me pergunta se eu ainda quero.
Eu não quero.
Me ajuda.
Ele esqueceu de me deixar sozinha,
Se pergunta se eu prefiro.
Eu não sei.
Me ajuda.
Me leva e me joga do quarto andar.
Me assiste cair e nunca mais voltar.
Me ajuda.
O que eu disse várias vezes tu não conseguiste escutar,
Ele ouve, mas não entende.
Por isso eu sempre escolho não falar...
Naquele lixo era de mim que tu deverias se livrar.



[Suelen de Miranda]


*Eu disse que queria doer, mas havia me esquecido.
Ou talvez seja pra me lembrar que minha dor maior sempre foi essa.
Eu nunca vou ser aquilo.