quinta-feira, fevereiro 15, 2018

De 1 a 10'







A dor é bem-vinda quando se quer,
Mas nunca quando se espera.
Há quem diga que tolerância é o que define.
Não esquece que o que se suporta ainda se sente.
A dor é alívio quando se joga,
Mas nunca quando se cai.
Já ouvi que se deve ignorar e pensar em outra coisa.
Não esquece que o que tu não vês ainda está lá.
A dor é êxtase quando se busca,
Mas nunca quando se foge.
Há quem julgue a ponta da faca enquanto segura o cabo,
Diz que não entende a queda enquanto aperta o gatilho.
Talvez não saibam que tipo de dor é essa;
Pois só é bem-vinda quando se aprende,
Mas nunca quando se descobre.




[Suelen de Miranda]

*pain is a prison, let me out of my cell.

sexta-feira, janeiro 05, 2018

Acidente'



Você me obrigou.
Nunca veio, mas se foi.
E eu te pedi para ficar sem dizer.
Há como saber?
Você me obrigou.
Não me levou, mas eu fui.
E eu te pedi para ficar sem entender.
Isso não existe.
Você me obrigou a escrever,
O que eu quero contar tu não irás ler.
Então eu deixo aqui.
Só é cego quem não se permite ver.



[Suelen de Miranda]

*do. not. get. obssessed.
...mas eu quero doer. 
https://www.youtube.com/watch?v=3TEo7v8yQkA

segunda-feira, janeiro 01, 2018

Mal dito'


Se eu for te confessar, tens de prometer que não irá ouvir.
Erga tuas mangas e beba um copo d’água.
Foi sozinha que escolhi e é sozinha que irei partir,
Reze duas Ave Marias e diga ao Pai Nosso que tu logo poderá seguir.
Se eu for te confessar, tens de prometer que não irá escutar.
Ele me desejava nua,
Eu desejava morrer.
Ajeita os cabelos e calça os sapatos.
Deixa esse quarto vazio, deixa as frases e segue tua estrada.
Finge que tu nunca me viu, finge que tu não sabes de nada.
Meu funeral será em breve, mas tu não virá.
Tu não me ouviu.




[Suelen de Miranda]



*É de 2013, mas tem coisa que só faz sentido depois. 
As palavras ainda não chegaram esse ano então eu não consigo falar.
Exaustão de cair, de voltar. O passo pra trás é sempre o verbo. 

domingo, dezembro 10, 2017

Não'



Riram de minhas cicatrizes hoje;
Julgada em pontas de dedos e olhares.
Foi feito pouco caso e ninguém perguntou de verdade.
Riram de minhas dores hoje;
Desdenhada por fora e por dentro.
Foi falado demais e ninguém soube de verdade.
Eu fui pra casa abaixo do sol,
Me vi de fora e nunca mais quis voltar.
Riram dos rabiscos que eu fiz,
Do que eu escrevi em ponta de lâmina.
Riram da minha pele e do que mandei adornar.
Sem saber, sem se importar.
Riram das cicatrizes que só existem;
Pois eu as consegui fechar.


[Suelen de Miranda] 


*É bom se aprender a fechar de novo. Quando se acha que se deve, é melhor não. SEMPRE É MELHOR NÃO.
Vale pra mim e pra ela.  Vale pra ti.
https://www.youtube.com/watch?v=qU1JYSzlYJI
Como eu falei, parei de filtrar muita coisa. Então vai ter coisa ruim que nem essa aí. desculpa.

quinta-feira, novembro 09, 2017

Testamento'



A culpa será sua.
Irei deixar ele para tu cuidar.
Estarei longe demais para imaginar,
O quanto tu se arrepende ou o quanto mais tu sorri.
A culpa será sua.
Irei deixar ela para tu acalentar.
Estarei longe demais para ouvir,
O quanto tu se desculpa ou o quanto menos tu se cala.
A culpa será sua,
Pois eu não irei ficar.
A culpa foi dele,
Pois eu desejei desaparecer.
Mas, por favor, não te preocupa;
Deixa que eu abaixo o volume, deixa que eu calo a boca.
Não te incomoda,
Eu carrego a tua, a dele e a dela;
Viro a esquina e levo até a ponte de ferro.
A culpa sempre foi minha, não é?
Se ela é pesada assim para carregar,
Deve ser o suficiente para me afogar.

[Suelen de Miranda]

*logo tudo se acaba. com ou sem mim.
Serviu?