segunda-feira, maio 14, 2018

Primeira pessoa'




Eu costumava ser tua.
Ninguém precisava saber,
E assim eu gritava ao mundo inteiro.
Tu pesavas em mim sem obedecer,
Não respirar era dádiva abaixo dos teus lábios.
Eu costumava te pertencer.
Me dei de presente,
E assim para ti nunca houve preço.
Tu censuravas meu riso sem saber,
Baixar o volume era dízimo dentro das tuas mãos.
Eu costumava ser tua.
Ninguém me viu pular,
E assim tu foste o abismo mais doce.
Eu costumava ser tua,
Talvez porque nunca me pertenci...
Estou indo para ser finalmente,
E pertencer à única pessoa que me tem.
...É sua vez: Acostuma.



[Suelen de Miranda]


*cansaço.



1 Comentários.: